quinta-feira, 1 de março de 2012

Dia zero

No dia zero apenas vislumbres de vida e poesia.




Amar!

Florbela Espanca

Eu quero amar, amar perdidamente!
...
Amar só por amar: aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...



_______________________________//________________________________

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=531013&tm=8&layout=122&visual=61

Sem comentários:

Enviar um comentário